terça-feira, 28 de setembro de 2010

Entrevista - Líria Caetano Garcia

Olá a todos leitores do Underground. A entrevistada de hoje é nada mais nada menos que a atual vice-campeã brasileira universitária, estou falando da jovem Líria Garcia.



Líria em uma festa na POLI-USP



Atualmente com 1908 de rating FIDE, Líria é a 24ª melhor brasileira no ranking internacional e sempre está entre as melhores colocadas nos torneios femininos.



Líria x GM Rafael Leitão


Recentemente nossa entrevistada esteve disputando o Mundial Universitário na Suíça, onde acertou fortes jogadoras e ganhou alguns pontos de rating.






Chega de bla bla bla e vamos a entrevista:


Underground: Há quanto tempo você joga xadrez? Quais suas principais conquistas?

Líria: Há 7 anos. Minhas principais conquistas foram Paulista sub 18 feminino, Brasileiro Juvenil feminino, vice-campeonato brasileiro universitário feminino e participações no Mundial Juvenil 2008 (Turquia) e Mundial Universitário 2010 (Suiça).

U: Faz pouco tempo que você voltou do Campeonato Mundial Universitário, como foi o torneio?

L: Cheguei em Zurique com 38 graus de febre, estava bem doente no primeiro dia. A mudança do fuso horário pode ter ajudado a desistir da primeira rodada. A WMI americana não aceitou o WO e gentilmente remarcou a partida, onde arranquei um empate mais tarde. Na 4a rodada eu tinha 0.5 ponto e ganhei minha primeira partida de uma WCM do Sri Lanca. Ganhei de mais duas WCMs e uma WMF. Terminei o torneio com 4,5 pontos em 7 possíveis, na 22a posição.

U: Sua expectativa foi alcançada?

L: Com certeza! Perdi para jogadoras com rating muito maior que o meu e ainda ganhei 34 pontos de rating FIDE. Além disso fiz novos amigos e pude conhecer um pouco da Suíça.

U:Como foi sua preparação para cada rodada? algo especifico?

L: Antes do torneio, junto com meu professor o MI Marcus Vinicius Moreira Santos, procuramos partidas da maioria das jogadoras e aprimoramos as aberturas que ainda estavam sem muito estudo. Assim, antes das rodadas, revia algumas linhas da abertura que achava que poderia cair na partida.

U: Como foi participar de um torneio tao forte como este?

L: Foi uma experiência incrível. O clima do torneio estava ótimo e muito competitivo. Indubitavelmente conheci lá alguns dos melhores jogadores jovens do mundo (vide o GM chinês Wang Yue, 2732) e que ainda conseguem cursar uma Faculdade.

U: Nós pudemos acompanhar e ver como estavam fortes os torneios tanto masculino como feminino. E os torneios B? foram bem movimentados tambem?

L: Como sempre o Brasil representou muito bem no torneio B, risos. Houve apenas duas baladas com os enxadristas. A balada do último dia foi numa discoteca bem grande de Zurique. O tema era Música Latino Americana, então estávamos em casa. Nessa festa, a direção do torneio disponibilizou (dizem as fofocas) mil e duzentos francos suícos de bebidas para os jogadores... O resto fica para a imaginação..risos

U: Qual foi a jogadora que mais te chamou a atencao? (pelo jogo claro... hehe)

L: Foi a WGM georgiana Sopiko Guramishvili que conhecia do Mundial Juvenil. Além de uma menina muito bonita, a vice-campeã terminou o torneio invicta.
Não perguntaram do jogador, mas vou puxar o saco para um grande novo amigo MI Pruijssers Roeland, da Holanda. Ele perdeu somente para o 3o colocado e terminou em 13o lugar.

U: Porque voce acha que tinha menos meninas jogando no feminino que homens no masculino?

L: O assunto é muito polêmico, mas acredito nos resquícios e nas consequências da nossa sociedade machista. Antigamente as mulheres não tinham direito algum. Hoje votamos, trabalhamos, estudamos... O que falta é oportunidade. No Brasil, que incentivo uma garota tem para se tornar WGM? Imagine ainda, uma iraniana, que estuda Educação Física e é enxadrista? Essa jogadora estava em Zurique e deve ter batalhado muito para estar lá. Apesar das poucas jogadoras, ainda assim o torneio estava muito forte e competitivo.

U: Como anda o xadrez feminino no Brasil? voçe acha que houve evolução nos ultimos anos com relação a como as mulheres são tratadas no xadrez? há mais apoio?

L: Meu histórico no xadrez brasileiro ainda é muito pequeno, mas percebo na pele que a mulher está sendo mais respeitada e até valorizada no xadrez. Nos primeiros torneios grandes que joguei, lembro que vários homens saíam gritando e nervosos por perderam para uma mulher. Também comecei a ganhar ajuda financeira há pouquíssimo tempo, mas em compensação, ganho mais que a maioria dos homens da minha idade. A mulher está sendo valorizada sim, e será mais respeitada ainda quando mais mulheres jogarem e aumentarem o nível competitivo dos torneios femininos.

U: O que, na sua opinião, seria interessante de acontecer nos torneios para incentivar mais mulheres a jogar xadrez?

L: Um incentivo importante seria aumentar as premiações para o feminino nos torneios. A nível político, eu só me interessei por xadrez a partir do momento que minha escola decidiu ensinar o esporte. Então acho que o xadrez deveria ser matéria no currículo escolar.

U: Uma mensagem final para seus fãs.

L: Acredito que meus maiores fãs são meus pais. Então nao poderia deixar de agradecê-los por tudo, pela confiança, pelo "pai"trocínio e por aguentarem uma filha viciada em xadrez. Xadrez é a minha segunda casa, onde encontro meus amigos, alegria e ciência.

Muito obrigado pela entrevista e parabéns mais uma vez pela desempenho no Mundial Universitário.

Não deixem de conferir a cobertura das olimpíadas com comentários do Salama nos posts anteriores.

Por hoje é só.

Abraço a todos

Cirilo


8 comentários:

Cassius disse...

Venho acompanhando a carreira da Lirinha a algum tempo e percebo que ela será uma grande enxadrista brasileira !!!!! Parabéns Lirinha

AN CASSIÃO

Jefferson disse...

Ótima entrevista... Mostrou o quanto a Líria é madura e o nível de entendimento dela no xadrez.
Te adoro Líria... =p

Jeff

Salmao_Negao disse...

Confesse Cirilo, você quer pegar ela!!

Lucas disse...

Esse amigo holandes em.... haha

Liria disse...

Hehehhe, tinha que colocar a foto da festa da Poli...

janine.martinez disse...

hehehe... eu acho que ela tinha que citar meu nome tbm... afinal sempre vamos juntas nos torneios.. e fui eu que te incentivei na Suiça hehehe.... =)

Renato Batista. disse...

Olha todos vcs falaram bonito da Liria,mais eu acompanhei toda a trajetória dela desde os 12 anos de idade, ela veio se tornando uma amiga especial e tbm uma jogadora de destaque,sempre acreditei e me orgulhei dela!, ainda mais pq não perde as caracteristicas que fizeram dela o Fenômeno que ela é. Liria vc merece a minha reverencia. Te Adoro. ( aproposito eu sou seu maior Fã) hahaha. bjos. até no IRT da Liga dia 15 a 17 de Outubro. ( propaganda Gratis- tem que aproveitar né!! hahaha )

francisca disse...

Apesar de não concordar com o argumento que o xadrez é um esporte valorizado no Brasil(nem masculino e muito menos ainda o feminino), Líria só me deixou mais orgulhosa, colocando-se tão generosa e inteligente em sua entrevista.